domingo, junho 04, 2006

não paro de olhá-la! de desvanecido,
minha mão lhe toca com veneração
dou-lhe o meu afago depois de a ter lido
ponho nela o beijo do meu
coração.

Ibn Habîb